As 21 Chaves Iniciáticas da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo

Elas nos direcionam a acessar, conhecer e vivenciar a Verdade Divina.

Matheus Henrique
|
27/11/2018 às 09h50 - terça-feira

A Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo apresenta ao mundo 21 Chaves Iniciáticas como caminho para o desenvolvimento espiritual do ser humano. Elas direcionam a uma consciência iluminada pelos saberes do Espírito, de forma que possamos acessar, conhecer e vivenciar a Verdade de Deus — acima de verdades humanas, que são mutáveis, portanto, restritas e passíveis de erros.

Pois, como ensinou o Cristo: “Conhecereis a Verdade (de Deus), e a Verdade (de Deus) vos libertará” (Evangelho de Jesus, segundo João, 8:32). E em Sua Oração Sacerdotal, o Sábio dos Milênios nos esclarece o que é a Verdade:

“Pai, santifica-os na Verdade, a Tua Palavra é a Verdade” (Evangelho, segundo João, 17:17).

Tela: James Tissot (1836-1902)

Detalhe da obra: Jesus senta-se à beira-mar e prega.

O acesso à Verdade de Deus

No conceito da Religião do Terceiro Milênio, acessar a Verdade de Deus está muito mais perto do que se imagina! Ela nos esclarece que todas as pessoas possuem dentro de si uma Parcela Divina, originária da característica que é comum a todos nós, seres humanos — pois somos Espírito Eterno.

Fomos criados à imagem e semelhança de Deus, que é Espírito (Evangelho de Jesus, segundo João, 4:24, e Gênesis, 1:26). Daí a Religião Divina colocar-se como “uma Escola Espiritual Divina de Iniciação nas coisas eternas, de portas abertas para todos”, conforme define o seu presidente-pregador, José de Paiva Netto. 

Sobre a Parte Divina que cada um possui, o escritor Paiva Netto apresenta importante contribuição ao tema em seu artigo É Urgente Reeducar!, no subtítulo “O Buda e a Porção Solidária

A partir desta visão, a Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo explica que todos podem acessar o Conhecimento Divino, o qual o próprio Cristo, que é Um com o Pai Celestial (Evangelho, segundo João, 10:30), veio trazer à Terra.

Para compreendermos o alto valor da missão espiritual do Divino Mestre em ajudar os povos a libertar-se da ignorância das Leis Divinas, contribuindo, desta forma, para desvendar os chamados “mistérios”, recorremos ao livro Jesus, a Dor e a origem de Sua Autoridade — O Poder do Cristo em nós. Na página 146, no subtítulo “Mistérios de Jesus”, o escritor Paiva Netto explica:

“Aqui um esclarecimento: na verdade, não existe mistério em Jesus. É o nosso preparo espiritual incom­pleto que O vê assim, cercado de mistérios. À medida que evoluímos, vão sendo desvendados. O mistério, portanto, está em nós, não em Jesus. Como poderia haver segredos Nele se no Apocalipse, do início ao fim, o Cristo revela e se revela? O Taumaturgo Celeste também adverte: 

‘Não há nada oculto que não seja revelado nem encoberto que não venha a ser conhecido e trazido à luz (Boa Nova, segundo Mateus, 10:26)’.

E completa o autor:

“E o Sublime Mestre, com o Seu inestimável sacrifício, alcançou o Poder de desvendar o Mistério de Deus à Humanidade. Trata-se da chave para decifrar todas as coisas dos Universos: ‘Amai-vos como Eu vos amei. Somente assim podereis ser reconhecidos como meus discípulos. Não há maior Amor do que doar a própria Vida pelos seus amigos’ (Evangelho de Jesus, segundo João, 13:34 e 35; 15:13)”.

Podemos inferir então, que o Conhecimento Divino precisa estar diretamente relacionado ao Bem que praticamos aos nossos semelhantes. Nisso podemos alcançar nossa iniciação espiritual.

As Sete Campanhas, os Sete Comandos e as Sete Cruzadas

Em vista disso, as 21 Chaves Iniciáticas são difundidas em todas as ações de promoção espiritual, social e humana da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo e estão distribuídas em Sete Campanhas, Sete Comandos e Sete Cruzadas, a saber:

As Sete Campanhas

1. Campanha do Bom Pensamento;
2. Campanha da Boa Palavra;
3. Campanha da Boa Ação;
4. Campanha da Boa Notícia;
5. Campanha da Boa Diversão;
6. Campanha da Boa Vizinhança;
7. Campanha da Boa Vontade Mundial.

Os Sete Comandos

1. Comando da Fé;
2. Comando da Esperança;
3. Comando da Caridade;
4. Comando da Moral;
5. Comando da Bondade;
6. Comando do Amor;
7. Comando da Verdade.

As Sete Cruzadas

1. Cruzada do Novo Mandamento de Jesus – “Amai-vos como Eu vos amei. Somente assim podereis ser reconhecidos como meus discípulos” (Evangelho de Jesus, segundo João, 13:34 e 35);
2. Cruzada de Reeducação Geral;
3. Cruzada Salvemos Vidas;
4. Cruzada de Religiões Irmanadas;
5. Cruzada de Oração e Vigilância;
6. Cruzada de Redenção Espiritual da Humanidade;
7. Cruzada do Amor Universal, pela Paz Mundial.

As 21 Chaves Iniciáticas estão apresentados nas Sagradas Diretrizes Espirituais da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, volume 1, 15ª edição, páginas 228 e 229. Recomendamos a leitura desta obra para aprofundamento no tema. Adquira agora pelo Clube Cultura de Paz.

A origem: uma revelação espiritual

O Irmão Paiva nos explica que inicialmente eram 5 as Cruzadas e 7 os Comandos, contudo, a partir de um acontecimento espiritual o Irmão Zarur revelaria outros pontos essenciais para o acesso da criatura ao seu Criador. Vamos a esse relato constante do livro já destacado, as Sagradas Diretrizes Espirituais da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, volume 1, 15ª edição, nas páginas 229 e 230:

“Estando em Poços de Caldas/MG, a 21 de novembro de 1986, onde realizei importante Cruzada do Novo Mandamento de Jesus, narrei este significativo episódio. São raízes doutrinárias fundamentais: Alziro Zarur revelou que teve uma visão espiritual: avistou Jesus cercado por Seus servidores, que são a Sua Coorte Divina, os quais lhe passavam as Campanhas, os Comandos e as Cruzadas, cujas grandezas não foram, de todo, compreendidas nem ainda pelos Cristãos do Novo Mandamento de Jesus. E essas são as 21 Chaves Iniciáticas da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo. O entendimento delas tem notável importância na decifração do último livro do Cânone Sagrado, o Apocalipse de Jesus”.

Eis importantes pontos a serem destacados: 1º) as 21 Chaves Iniciáticas da Religião Divina têm origem no próprio Cristo; 2º) muito ainda há para ser conhecido sobre cada uma destas chaves de iniciação na Verdade de Deus; e 3º) o entendimento delas nos capacita a decifrar os chamados mistérios do Apocalipse de Jesus.

A urgência de assimilarmos estes alertas é ainda evidenciada pelo criador da Super Rede Boa Vontade de Comunicação (rádio, TV, internet e publicações), como pode ser lido no blog Paiva Netto:

“Imprescindível torna-se que todos os que leem o Apocalipse de Jesus compreendam que ele não existe para assustar, todavia, como advertência, de modo que finalmente aprendamos que o seu texto nos indica o rumo e nos ensina a trilhar a estrada redentora, para o tão ansiado encontro com o Cristo”.

Assim, conforme destacamos neste texto, é Jesus o roteiro que nos leva à revelação de todos os mistérios, que nos concede acesso à perspectiva divina do conhecimento, portanto, à Verdade de Deus.

A importância das 21 Chaves Iniciáticas neste Fim dos Tempos

Tela: Sátyro Marques

O Irmão Paiva faz constar como 12º item das finalidades da Religião Divina, a “Restauração da Verdade de Deus”¹, conforme lemos nas Sagradas Diretrizes Espirituais da Religião do Terceiro Milênio, volume 1, 15ª edição, página 227: 

“restaurar a Verdade da Bíblia Sagrada, particularmente o que está contido no Evangelho e no Apocalipse de Jesus, sempre à luz do Novo Mandamento, a Lei do Amor Universal, realizando e difundindo ao máximo as 21 Chaves Iniciáticas da Religião do Terceiro Milênio”.

Vejamos então de que forma as Campanhas, os Comandos e as Cruzadas nos direcionam no real entendimento da Palavra de Deus nas Escrituras Sagradas, do Antigo ao Novo Testamento, através da iluminação advinda do Espiritualmente Revolucionário Novo Mandamento de Jesus (Boa Nova, segundo João, 13:34 e 35):

As Campanhas

Num discurso dito de improviso, em 12 de setembro de 1981, acerca da força que as grandes ideias possuem no desenrolar da história, assim pronunciou o Presidente Pregador da Religião Divina:

“São as ideias que movem os mundos! (...) A começar pelos Apóstolos do Cristo. Primeiro eles tiveram um pensamento. Que é um pensamento? Um Ideal, que depois se corporifica em ações. Em nosso caso, em Boas Ações. Porque a Campanha é do Bom Pensamento, que determina uma Boa Palavra e, depois, uma Boa Ação, para ser uma Boa Notícia e tudo de bom, porque nós queremos o Bem da Humanidade. É o Ideal que move a Terra; Victor Hugo já dizia: ‘Não há nada mais poderoso que uma ideia, cujo tempo tenha chegado’”.

Thiago Mendes

    

Ensina a Doutrina do Centro Espiritual Universalista, o CEU da Religião do Terceiro Milênio, que tudo parte do pensamento, e, sendo este originário do Espírito, podemos concluir que é na dimensão espiritual que são criadas as ideias que mais tarde serão expressas pela criatura em forma de palavra e, consequentemente, consolidadas por suas ações.

Diferentemente de campanhas que não condizem com o progresso espiritual e a capacidade Divina do ser humano, as Sete Campanhas mostram-se como operações sistemáticas iniciadas pela Sintonia Tríplice com Jesus, compromissando cada um de nós com a reeducação por completo.

Assim, os efeitos dessa postura renovada nos ensinamentos do Educador Celeste nos guiarão, campanha a campanha, para alcançar a plenitude da última delas — a da Boa Vontade Mundial.

Os Comandos

O dicionário Michaelis registra a palavra comando como: 1. Ato ou efeito de comandar; (…) 2. Habilidade de exercer a chefia, de dirigir. 3. Autoridade, (…) Liderança.

Izabela Lobianco

     

Sobre os Comandos de que nos falam a Religião Divina, podemos compreender que eles nos inspiram a adquirir a autoridade e a liderança sobre nós mesmos.

Aliás, a grande referência dessa autonomia espiritual é o próprio Cristo. Por seus inúmeros exemplos de Boa Vontade — incluindo a vitória sobre a Morte, com a Sua Ressurreição — mostrou ao mundo que a conquista da Verdadeira Autoridade Espiritual se dá por intermédio da ligação com Deus, que é Amor (Primeira Epístola de João, 4:8).

Já ensina antiga sabedoria popular que “não sabe mandar quem nunca soube obedecer”. Assim também ocorre, em maior escala, sob o ponto de vista da Legislação Celeste. Em Jesus, a Dor e a origem de Sua Autoridade – O Poder do Cristo em nós, página 45, escreve o Irmão Paiva:

“Percebam que, a todos aqueles que observam as Suas Leis, o Pai Celestial concede o privilégio do discernimento das riquíssimas páginas do Livro da Revelação. ‘O segredo de Deus é para aqueles que O respeitam (...)’ (Salmos, 25:14)”.

Afirma o autor na mesma obra acima citada:

“Faz-se urgente certo conhecimento da Excelsa Lei que rege os mundos, do micro ao macrocosmo. E esse conjunto de leis se encontra expresso no Evangelho e no Apocalipse de Nosso Senhor Jesus Cristo”.

Percebemos, desta forma, que os valores apresentados pelos Sete Comandos se mostram como instrumentos para atingirmos o equilíbrio em nossas decisões e atitudes, e de maneira sábia conduzirmos o nosso destino na direção do Cristo.

As Cruzadas

Vivian R. Ferreira

Explica o Irmão Zarur, na Doutrina do CEU da Religião do Terceiro Milênio, que Cruzada na Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo torna-se ação para salvar. Ele afirmava em suas pregações:

“No fim do ciclo todas as coisas serão restauradas: a Luz vence a treva, o Amor vence o ódio, o Bem vence o mal”.

Em vista disso, é nesse propósito de salvação espiritual, no qual desejamos nos engajar para promover os valores Divinos trazidos à Terra por Jesus, de modo a pôr fim ao império da maldade. Impulsionando desta maneira ações que dignifiquem o nosso Espírito Eterno.

Portanto, estudar com afinco as Sete Campanhas, os Sete Comandos e as Sete Cruzadas, promovendo-as por meio das nossas ações diárias, é tarefa de todos nós, Cristãos do Novo Mandamento, Amigos de Jesus. Pois compreendemos que as 21 Chaves Iniciáticas reúnem pontos centrais do sagrado corpo doutrinário e da fraterna atuação da Religião Divina.

A difusão desses ideais, firmados no Evangelho-Apocalipse do Pedagogo Celeste, culmina na Restauração da Verdade de Deus, pregada pela Doutrina do CEU da Religião do Terceiro Milênio, desde os seus primórdios.

_____________
1 Nota do autor Paiva Netto, nas Sagradas Diretrizes Espirituais da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, volume 1: Restauração da Verdade de Deus — Estará a Bíblia errada, superada? O assunto é pormenorizado em “A Bíblia está certa”, constante do segundo volume desta coleção, no qual aprendemos a discernir o que é a parte humana, passível de conter experiências terrenas transitórias, e o que é a Parte Divina das Escrituras Sagradas, a que tem o Selo de Deus e que, portanto, é infalível e eterna”.

² Boa Vontade Mundial — Acerca desta importante campanha, registrou o Irmão Paiva em sua publicação Sagradas Diretrizes Espirituais da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, volume 2, página 291: “Em 1949, o fundador da Legião da Boa Vontade (LBV), Alziro Zarur (1914-1979), lançou a Campanha da Boa Vontade, na Hora da Boa Vontade, de que resultou a criação da LBV. Abriu-se, então, para os povos e nações da Terra, a Era (consciente) da Boa Vontade de Deus.”.

Tal marco na história das Instituições da Boa Vontade de Deus iniciou-se com a pregação do Evangelho-Apocalipse do Educador dos Povos, pioneiramente realizada pelo radialista e poeta Alziro Zarur, na Rádio Globo, Rio de Janeiro/RJ, e fielmente continuada e expandida pela Comunicação 100% Jesus pelo seu sucessor, José de Paiva Netto, com as famosas séries: “Evangelho Unificado de Jesus”, “Evangelho de Jesus, segundo João”, “O Apocalipse de Jesus para os Simples de Coração”, “Apocalipse para o Povo”, “Apocalipse e Profecias”, entre outras. 

Avalie este conteúdo