Em 21 de abril de 1960 foi interpretada pela primeira vez a Marcha dos Soldadinhos de Deus

Da Redação
|
20/04/2015 às 17h11 - segunda-feira

Em 21 de abril de 1960 foi interpretada pela primeira vez a "Marcha dos Soldadinhos de Deus", obra do compositor Paiva Netto. À época, a apresentação foi feita pelas crianças do Instituto São Judas Tadeu, onde ele colaborava voluntariamente. A audição foi ainda uma homenagem a Brasília, que o presidente Juscelino Kubitschek (1902-1976) inaugurava naquela data.

A partir do exemplo do presidente-pregador da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, José de Paiva Netto, crianças e jovens de diversas gerações sentiram-se entusiasmadas a se expressarem artisticamente com os ideiais de Jesus, o Educador Celeste.

Ouça essa bela composição:

 

COMPOSITOR DE OBRAS QUE ENALTECEM A VIDA

O talento e a inspiração acompanham o compositor e produtor musical há muito tempo. Foi aluno do professor Homero Dornelas (1901-1990), assessor do notável Villa-Lobos (1887-1959). Entre as múltiplas atividades que desenvolvia inicialmente, foi sonoplasta dos programas de Zarur, o que acentuou ainda mais seu ouvido musical. Não obstante a extrema dedicação à causa da Boa Vontade, sua ligação com a música não se perderia. 

+ Confira a biografia completa do compositor Paiva Netto

O autor da "Marcha dos Soldadinhos de Deus" ensina que "A boa música é um elo inquebrantável que une a criatura ao Criador". Por essa razão, é de forma magistral que compõe melodias e transmite os mais elevados sentimentos, como o Amor e a Solidariedade, aos corações de muitas pessoas.  

Dentre as suas composições, ressalta-se um tributo ao povo baiano, com o disco Negrada — Jesus, o Grande Libertador! (1º/4/1983, Salvador/BA), vendeu 100 mil cópias, conquista inédita no gênero erudito. A obra ganhou os palcos do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, também em abril de 1983, sob a regência do conceituado maestro Isaac Karabtchevsky. Além disso, em parceria com o maestro Almeida Prado escreveu a Sinfonia Apocalipse (1987), cuja primeira audição mundial deu-se a 21/10/1989, com a Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro, em Brasília, capital brasileira, durante a inauguração do Templo da Boa Vontade (1989), para cerca de 50 mil pessoas, que teve a regência de Achille Picchi.

Outra peça de grande destaque é o Oratório O Mistério de Deus Revelado, escrito em Portugal, no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Sul (1998), Brasil, sob a inspiração do genial Villa-Lobos. Gravada pelo Coro Capela Svetoslav Obretenov, da Bulgária, a obra superou a marca de 500 mil cópias vendidas, conquistando disco de platina duplo, e teve audição internacional.

Ao longo dos anos, os trabalhos de Paiva Netto foram ressaltados por renomados maestros, compositores e críticos musicais, como Dorival Caymmi (1914-2008), Ricardo Cravo Albin, Francisco Mignone (1897-1986), Ricardo Averbach, José do Espírito Santo (1927-2005) e Hélio Rosae Alexander Yossifov, com quem escreveu um concerto para piano e orquestra. Não é por menos que a obra fonográfica de Paiva Netto vendeu milhões de cópias. 

Avalie este conteúdo