Por que não temer o fim do mundo?

Rafael Ramalho
|
25/10/2017 às 10h00 - quarta-feira

O fim do mundo tem sido um assunto abordado com frequência por diversos povos. Muitas vezes, essa temática é tratada na Ciência, na Religião, na Filosofia, entre outras áreas do conhecimento humano. Outros podem identificar as perspectivas políticas, as advertências ecológicas, as abordagens artísticas, cinematográficas.

Todos têm respeitáveis pontos de vista, aliás, muitos deles, quando trazidos de forma responsável, servem de alerta para a forma com que tratamos o planeta, os nossos recursos naturais e humanos e, principalmente, o nosso Espírito. Entretanto, o questionamento ainda se faz presente: O mundo vai acabar? Devemos temer o fim do mundo?

Para responder a essas questões, partiremos dos ensinamentos universais de Jesus, que, na visão da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, é o Cristo Ecumênico, o Divino Estadista. Apresentaremos nesta matéria também uma compreensão sobre o que é o fim do mundo.

Pedro Altair Rúbio
No dia 30 de dezembro de 1989, Paiva Netto realizou, no Templo da Boa Vontade, em Brasília, a Proclamação do Cristo Estadista. A ação fez parte do VII Congresso Jesus Está Chegando! e XXI do Apocalipse e contou com a presença de milhares de pessoas do Brasil e exterior.

O que Jesus diz sobre o fim do mundo?

Vamos recorrer ao Estadista Divino, que no relato do Evangelista João, 1:1 a 3, esclarece: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por Ele, e nada do que se fez foi feito sem Ele: Cristo Jesus”.  Ele é igualmente “a Testemunha Fiel e Verdadeira, o princípio da criação de Deus”, conforme também relata o evangelista-profeta, no Apocalipse de Jesus, 3:14.

Posto que o Cristo é a autoridade máxima no assunto, o que Ele diz sobre o fim do mundo? Em seu Sermão Profético, ao nos falar do “princípio das dores”, narra, “com antecedência milenar” — como esclarece o Irmão Paiva Netto —, fatos que, de certa forma, já ocorrem com cada vez maior intensidade.  “E este Evangelho do Reino será pregado em todo o mundo em testemunho a todas as nações. Só então virá o fim.” (Mateus, 24:14).

Sobre essas esclarecedoras palavras do Divino Mestre, explica o presidente-pregador da Religião Divina:

“O fim de quê? Do planeta? Bem, da maneira com que os seres humanos estão agindo, dá até para ficar temeroso. Porém, tudo isso já estava registrado no Apocalipse. Vemos lá que, depois de sucederem tantas coisas escabrosas, terríveis, semeadas por nós, surgirá no mundo, conforme promessa constante no Livro das Profecias Finais, 21:1: ‘E vi novo Céu e nova Terra, porque o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe’.

“Quer dizer: o planeta não será extinto. Graças a Deus, não conseguiremos destruir nossa única morada. Porém, ‘poucos homens restarão’, no dizer do notável Profeta Isaías, 24:6. Preparemo-nos, portanto, para uma profunda transformação, registrou o Irmão Paiva Netto, em seu editorial na revista “Jesus Está Chegando!”, edição 127, intitulado Fim dos Tempos e os Perseverantes em Jesus. O trecho acima encontra-se no subtítulo Ninguém vai conseguir destruir a Terra.

+ Conheça esse e outros artigos do escritor Paiva Netto sobre o Apocalipse.

Tela: Howard Lyon

Título da obra: Do medo à fé.

Desta forma, o presidente-pregador da Religião do Terceiro Milênio apresenta o Livro das Profecias Finais como anunciador dessa “profunda transformação”. Ali, nesta carta de um Amigo, como aprendemos na Religião Divina, Jesus prepara a humanidade para esse momento. Antes do “Novo Céu e da Nova Terra” há orientações e advertências do Cristo dedicadas às Sete Igrejas da Ásia (Apocalipse, capítulos 2 e 3) — que representam as diversas etapas de desenvolvimento espiritual, humano e social da humanidade.

Também no relato apocalíptico encontramos a exposição dos sentimentos e atitudes particulares e públicos dos Seres Humanos, revelados por Jesus ao abrir os Selos (capítulos 5 e 6), com suas graves consequências anunciadas nas Trombetas (capítulos 8, 9 e 11) e consumadas nos flagelos (capítulos 15 e 16). Ao mesmo tempo, diversos outros acontecimentos impactantes concorrem, no Céu, com profundo impacto na Terra, para o amadurecimento ético dos seres Espirituais e Humanos, culminando com a Volta Triunfal de Jesus para o Planeta Terra (capítulos1:7 e 22: 7, 12 e 20).

Portanto, o mundo terá de enfrentar todos os fatos anunciados pelo Apocalipse, pois são consequência da própria semeadura humana (boa ou má) e jamais uma punição de Deus. Isso, no entanto, não significa dizer que o mundo irá acabar.

A Volta de Jesus como garantia de que o mundo não acabará

Arquivo

Este acontecimento, o mais feliz da História, é a chave para entendermos que o mundo não será destruído, como revela o Irmão Paiva, em seu livro Jesus, o Profeta Divino: “(...) O mundo não vai acabar, a não ser que nós, os seres humanos inquietos, o precipitemos a tal destino. E mais, o que pode extinguir-se ou diminuir muito o número é a raça humana. O orbe, não. A não ser que um grande corpo celeste bata nele. E não estou sendo pessimista, em relação aos fatos vindouros, até porque o próprio Apocalipse, que é de Deus, finaliza com um brado à Vida (22:20 e 21):

“20 Aquele que dá testemunho destas coisas diz: Certamente venho sem demora. Amém. Ora vem, Senhor Jesus!

“21 A graça de Nosso Senhor Jesus Cristo seja com todos vós para todo o sempre. Amém.

“Quanto a tudo o que está anunciado, fiquemos tranquilos, pois o Profeta Divino está no comando.  Ora, como Jesus gloriosamente volta, retorna para alguma coisa que continua existindo, o planeta Terra”.

Jesus é a maior certeza de que o mundo continuará existindo, porém, ele estará transformado e muito melhor do que vemos nos dias atuais (graças a Deus!), pois Ele mesmo promete que voltará para esse “Novo Céu e Nova Terra”. Ainda em Jesus, o Profeta Divino, escreve o autor:

“Ora, repetindo, para fixarmos bem: se Jesus voltará, com certeza o planeta não sucumbirá. Assim seja! (A rima é proposital.)

"Guardem bem o que João descreve, no primeiro versículo do capítulo 21: ‘E vi novo Céu e nova Terra, porque o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe’”.

Alguém pode raciocinar que, por descerem esses horizontes e territórios novos, subentende-se a destruição dos primeiros. Mas a Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo se vale da seguinte argumentação feita, há décadas, por seu saudoso Proclamador, Alziro Zarur (1914-1979), que o autor do livro que estamos estudando também fez constar: “Zarur explicava que um proprietário inteligente não vai destruir a moradia (no caso, o mundo) por causa de maus inquilinos, mas, sim, afastá-los dela. É justo”, (confira outros esclarecimentos em “A Humanidade do Absinto”, de Paiva Netto, artigo publicado no primeiro volume de seu livro O Brasil e o Apocalipse).

Reprodução BV

"A conquista", obra de Sátyro Marques. Acervo da Galeria de Arte do Templo da Boa Vontade, Brasília/DF, Brasil.

Desta forma, afastados os maus inquilinos, reforma-se a casa, onde permanecem os Bem-Aventurados pelo Profeta Divino, que assim serão, conforme a Lei do Apocalipse, “segundo suas próprias obras” (Evangelho, segundo Mateus, 16:27 e Apocalipse de Jesus, 22:12).

Em seu Sermão da Montanha, o Educador Celeste ensina: “Bem-Aventurados os pacientes, porque eles herdarão a Terra” (Evangelho de Jesus, segundo Mateus, 5:5). Naturalmente, após a depuração necessária, conforme esclarece o livro “Jesus, o Profeta Divino”. Na obra, o Irmão Paiva Netto apresenta a palavra do dr. Bezerra de Menezes (1831-1900), médico, político e taumaturgo brasileiro, no prestigioso jornal O Paiz, no qual escreveu, no século 19: “(...) O planeta continua mudando, apenas, de condição; subindo de ordem, passando, por exemplo, de mundo de expiação, como é a Terra e muitos outros, a mundo de regeneração, como são os que lhe estão acima, e a que deve ser nossa aspiração subirmos, porque neste se faz o progresso humano, por entre risos e flores, e não mais a custo de dores e torturas, como no purgatório.

“O planeta, pois, continua, não acaba, como acreditam os que interpretam as Escrituras pela letra (...). Juízo Final é, em Espírito e Verdade, a separação ou distinção dos que têm o toque para acompanharem o planeta em sua [nova] ascensão, e dos que não o têm”.

- Ainda há tempo das pessoas se redimirem?

- O que significa a Espada Afiada de dois gumes de que Jesus nos fala em Seu Apocalipse?

E da nossa parte?

Jesus deseja que todos melhorem, então, façamos a nossa parte no aperfeiçoamento de nossos sentimentos, por meio das boas atitudes diárias. Assim, não será necessário temer o fim dos tempos (e nem o fim do mundo), mas ficarmos alertas quanto aos acontecimentos transformadores, visto que, como também nos adverte e fortalece o Irmão Paiva, em Jesus Está Chegando!, 127:

“Onde o Amor não consegue se estabelecer, a dor vem e atua. E, por vezes, age de forma avassaladora, pela urgência do corpo que delira, arde em febre, tomado pela infecção que necessita do corte cirúrgico urgente.

“A semeadura é essa, minha gente! Mas em compensação, pelos milênios, muitos semearam o Amor, a Verdade, a Justiça, o Trabalho pela harmonia dos seres espirituais e humanos. Também esses receberão seu prêmio, o patrimônio augusto, neste encerramento de ciclo, que determinará finalmente o desaparecimento da civilização da rapina e do ódio”.

Oremos e trabalhemos hoje por um futuro melhor. Assim, concretizaremos a majestosa profecia do Apocalipse (11:15): “O Reino do Mundo se tornou de nosso Deus e do Seu Cristo, e Ele reinará pelos séculos dos Séculos”.

Ouça a música Legionária "Aleluia! Jesus Reina!" para alegrar o seu dia com a mensagem de Esperança que esta profecia de Jesus a todos transmite:

Campanha da Boa Vontade Mundial, há quase 70 anos no ar, revelando o Evangelho-Apocalipse de Jesus para gerações

Leila Marco

Paiva Netto apresenta informalmente a sua pregação de "O Apocalipse de Jesus para os Simples de Coração", na antiga cantina da Boa Vontade, do Instituto de Educação José de Paiva Netto, em São Paulo, SP, que teve início em 27/10/1990.

Por isso, temos um convite especial para você. Acompanhe de terça-feira a domingo, na Super Rede Boa Vontade de Rádio a série O Apocalipse de Jesus para os Simples de Coração. Confira os horários:  às 18 horas, durante o Programa Paiva Netto, às 21h, à 0h, às 5h e às 11h.

Não perca essas aulas do Apocalipse de Jesus que o presidente-pregador da Religião do Terceiro Milênio realiza sempre com muita profundidade e de maneira acessível, esclarecendo de forma ecumênica o que trata o último Livro da Bíblia Sagrada. Nas conversas, nascidas de improviso junto à alma receptiva do povo, fala da Esperança que as profecias de Deus nos inspiram quanto ao futuro da humanidade, e também apresenta os importantes alertas que o Livro da Revelação retrata, consequência das ações dos prórpios seres humanos. Acompanhe! =)

Avalie este conteúdo