Qual a importância dos Anjos no recado profético do Apocalipse?

Angélica Periotto | 16/03/2017 às 13h38 - quinta-feira | Atualizado em 21/03/2017 às 10h45
Tela: Sátyro Marques

Os Anjos da Guarda, aprendemos na Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, são Espíritos Superiores que estão a serviço de Jesus e trabalham pelo Bem da Humanidade. Eles estão presentes nas nossas vidas e nos inspiram a realizar as escolhas corretas, a enfrentar os desafios com coragem e a viver o Amor Divino em todos os momentos da existência, como nos ensinou o próprio Cristo de Deus.

Esses Anjos — Numes Tutelares, Almas Benditas, Espíritos de Luz — são também presença constante na narrativa bíblica, sobretudo no Apocalipse de Jesus, último livro da Bíblia Sagrada. Somente no Livro das Profecias Finais há mais de 80 citações feitas sobre esses dedicados Amigos do Mundo Espiritual. Ali, João, o Evangelista-Profeta, pôde descrever uma conexão muito forte entre a trajetória da Humanidade e o Mundo Espiritual Superior, apresentando o acompanhamento dos Anjos da Guarda para o cumprimento dos fatos proféticos. Eles dialogam conosco e trabalham para nos avisar das consequências das nossas ações: boas ou más.

Aliás, foi um Anjo que entregou o último livro do Cânone Sagrado a João: “Revelação de Jesus, o Cristo, que Deus Lhe deu para mostrar aos Seus servos as coisas que em breve devem acontecer, e que Ele, enviando-as por intermédio do Seu Anjo, notificou ao Seu servo João, o qual atestou a palavra de Deus e o testemunho de Jesus Cristo, quanto a tudo o que viu” (Apocalipse, 1:1-2).

+ Busque a proteção dos Anjos da Guarda e dos Espíritos de Luz!

Conforme vemos no Apocalipse, os Anjos sempre aparecem trabalhando, realizando alguma atividade em benefício da existência humana. Portanto, não fazem intervenção ao acaso e nem intromissão sem convites. “Depois disto vi quatro Anjos em pé nos quatro cantos do mundo, conservando seguros os quatro ventos, para que nenhum soprasse sobre a terra, nem sobre o mar, nem contra árvore alguma” (Apocalipse, 7:1).

Tela: Sátyro Marques



A Religião do Terceiro Milênio nos esclarece que esse auxílio espiritual inclusive tem um propósito pedagógico Divino, disparado pelo testemunho de Amor do próprio Cristo de Deus pela Humanidade. Por esse e outros exemplos, José de Paiva Netto, presidente-pregador da Religião Divina, denomina Jesus como o “Cristo Ecumênico, Divino Estadista”, e destaca ser o Divino Mestre o “melhor Anjo da Guarda”.

+ O Anjo da Guarda pode se afastar do seu protegido?

Por isso, é tão necessário darmos a devida importância ao Livro da Revelação, que o Cristo de Deus ofertou à Humanidade. Um dos maiores estudiosos do Apocalipse na atualidade, Paiva Netto ilustra a magnitude espiritual desta obra: “Não se trata de um livro firmado sobre lucubrações humanas, mas em cima de uma Revelação de Deus-Pai, por meio do testemunho do Cristo (Filho), que se vale da intermediação de um Anjo, que, sabemos, faz parte do Espírito Santo, isto é, daquele esplêndido coletivo de seres evoluídos, que servem Jesus no Seu governo do planeta Terra, que Ele criou, como já estudamos, por ordem do Pai Supremo”. Texto extraído de sua obra As Profecias sem Mistério, que integra a coleção Apocalipse de Jesus para os Simples de Coração.

DOS ALERTAS ÀS PROFECIAS DE PROFUNDA FELICIDADE

No Apocalipse, os Anjos também anunciam tempos difíceis para a Humanidade. Trata-se de uma tarefa nada fácil pois, apesar de todo o esforço em nos auxiliar, eles não podem interferir em nosso livre-arbítrio. Contudo, o livro profético não veio para nos causar temor nem enganos. Se conduzirmos nossas atitudes dentro das Leis de Deus, vislumbraremos tempos de vitória e superação, honestidade, respeito, uma realidade mais fraterna e justa para todos. 

Tela: Sátyro Marques

O novo céu e a nova terra — A nova Jerusalém.

E com certeza os Anjos de Deus sentem felicidade em participar de ocasiões como esta: “Então veio um dos sete Anjos que têm as sete taças cheias dos últimos sete flagelos, e falou comigo dizendo: Vem cá e eu te mostrarei a noiva, a esposa do Cordeiro de Deus; e ele me transportou, em Espírito, a uma grande e elevada montanha, e me mostrou a cidade santa, Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, a qual tem a claridade do próprio Deus. O seu fulgor era semelhante a uma pedra preciosíssima, como pedra de jaspe cristalina” (Apocalipse, 21:9-11).

Essa descrição inspiradora nos motiva a viver no nosso dia a dia esses ideais e contribuirmos para construir essa realidade. Contemos com o apoio e intuição dos nossos Anjos da Guarda para melhorarmos as nossas atitudes. E saibamos dar a devida atenção ao que o Cristo nos revelou no Seu Apocalipse.

“O último Livro da Bíblia Sagrada é profecia pura, não ameaça. Trata-se de Revelação para o combate à ignorância espiritual das criaturas; portanto, não enigma indecifrável. E esse Divino Preceito, já o vimos nos versículos iniciais (Apocalipse, 1:1), veio de Deus por intermédio do Cristo e do Espírito Santo, este que é um conjunto de Almas Benditas que auxiliam na administração do planeta, do qual Jesus selecionou um Anjo para trazer a João a Sua fraterna advertência às nações. Por isso, deve ser levado à altura da seriedade que possui, e não tido como piada, novelinha, conto de terror. Tudo o que nele está descrito sucederá em sua totalidade, alerta o Irmão Paiva Netto em seu livro Jesus, a Dor e a origem de Sua Autoridade.